Orientações

Manutenção da integridade da pele periestomia

A pele periestomia íntegra (Fotografia 1) desempenha papel importante no funcionamento de todo o equipamento coletor, pois é onde a placa adesiva fica fixada (REITH et al., 2013). Quando a região periestomia apresentar lesões, a consequência imediata é a redução na capacidade do dispositivo de manter-se fixo à pele. (BORGES; RIBEIRO, 2015).

A pele periestomia deve ser mantida limpa e seca, pois o efluente fecal ou urinário pode causar alteração na sua integridade. Seu monitoramento é responsabilidade da enfermagem e ponto essencial de educação para o paciente. (SCHREIBER, 2016).

No pós-operatório, a estomia apresenta-se edemaciada e a diminuição do tamanho ocorre em algumas semanas, podendo-se alterar o formato. Nessa fase, é importante realizar a mensuração frequente da estomia com o guia de mensuração (Figura 1), a fim de que o recorte da placa seja adequado. (BURCH, 2014a; NEIL et al., 2016).

Fotografia 1: Pele periestomia íntegra

Fonte: Arquivo pessoal do autor (2017).

Figura 2: Guia de mensuração para estomias

Fotografia 2 - Lesão na pele periestomia causada pelo contato do efluente em virtude do recorte inadequado da placa adesiva.

Fonte: Arquivo pessoal da Enfermeira ET, Neiva Maria Salton (2014).

Para evitar lesões na pele, em virtude do contato com o efluente (Fotografia 2), o recorte da placa adesiva não deve ser maior que 3 milímetros em referência à circunferência da estomia. (BURCH, 2014b; SCHREIBER, 2016).

Evitar lesões a pele periestomia

A pele periestomia deve ser avaliada, a cada troca do dispositivo coletor, quanto ao turgor, à cor, à integridade e à área para aplicação da placa. (BORGES; RIBEIRO, 2015). Na avaliação do turgor, a pele poderá ser normal com boa elasticidade, apresentar-se flácida ou muito firme.

Na avaliação quanto à cor, a pele periestomia poderá apresenta-se normal, ou seja, sem diferença de cor quando comparada com à pele sem o adesivo; pele com eritema; ou ainda, com lesão de pele, podendo variar de lilás a amarela. (BORGES; RIBEIRO, 2015).

Pele de cor normal

Fonte: Arquivo pessoal do autor (2015).

Pele com eritema

Fonte: Arquivo pessoal do autor (2015).

Pele de cor escurecida

Fonte: Arquivo pessoal da Enf. ET, Sandra Marina da Silva Rosado Furtado (2015).

Na avaliação da integridade, as alterações na pele manifestam-se, principalmente, pela ocorrência de maceração, erosão, erupção cutânea e ulcerações. (BORGES; RIBEIRO, 2015; REITH et al., 2013). Outras complicações na pele periestomia  são apresentadas abaixo.

Lesão de malignidade na área periestomia
Infecção por Cândida
 
Dermatite irritativa
Lesão pseudoverrucosa
Dermatite por trauma mecânico
Foliculite

Fonte: Elaborado pelo autor, com base em arquivo pessoal do autor (2017), arquivo pessoal da Enfermeira Aline Royer (2017), arquivo pessoal da enfermeira ET Sandra Marina da Silva Rosado Furtado (2015), arquivo pessoal da enfermeira ET Neiva Maria Salton (2014). Prime Health Channel (2011).

Na avaliação da área para aplicação da placa do dispositivo coletor, devem ser considerados pontos anatômicos importantes para a fixação da bolsa (Figura 2). A má adaptação causa vazamento de fezes ou urina sob a placa, ocasionando lesão na pele. (BORGES; RIBEIRO, 2015).

Alguns fatores relacionados à área de aplicação dificultam a aderência da placa do dispositivo coletor. Dentre eles destacam-se: a fragilidade da pele periestomia devido à idade e às condições cutâneas, a proximidade da estomia a depressões, pregas cutâneas,  dobra abdominal ou contorno da pele periestomia irregular e proeminências ósseas. (NEIL et al., 2016).

Figura 2: Pontos anatômicos a serem considerados para fixação da bolsa

Dobra abdominal

Fonte: Arquivo pessoal do autor (2014)

Contorno da pele periestomia irregular

Fonte: Arquivo pessoal da Enfermeira ET Neiva Maria Salton (2013).

Proeminências ósseas

Fonte: Arquivo pessoal da Enfermeira ET, Sandra Marina da Silva Rosado Furtado (2015).

A avaliação da área para escolha e aplicação da placa do dispositivo deve ser realizada com a pessoa nas posições demostradas ao lado. Isso porque  a posição altera o aspecto da superfície da pele, ficando visíveis as irregularidades. (HOEFLOK; PURNELLl, 2017; HOEFLOK et al., 2017).

Deitada

Fonte:  Arquivo pessoal do autor (2015).

Sentada

Fonte:  Arquivo pessoal do autor (2015).

Além do que já foi referido, para manutenção da integridade da pele periestomia são necessários os seguintes cuidados:

A limpeza deve ser feita delicadamente com água e sabão ou soluções específicas. (BURCH, 2014a);

Limpeza da pele

Substâncias como álcool, benzina, colônias, tintura de benjoim, mercúrio e mertiolate não devem ser utilizadas. Elas ressecam a pele, causando lesões e reações alérgicas. Além disso, podem impedir a adaptação do coletor, causando descolamento e/ou vazamento. (CRESSEY et al., 2017);

Substâncias proibidas

Os pelos devem ser aparados com tesoura de pontas curvas. Não se devem utilizar lâminas, para evitar as lesões e a inflamação da raiz dos pelos. (STEINHAGEN; COLWELL; CANNON, 2017);

Pelos da pele

Deve-se proteger a estomia com gaze umedecida e expor a pele periestomia ao sol da manhã, por 15 a 20 minutos (MARTINS et al., 2012). Contudo, essa exposição está contraindicada para as pessoas que estiverem em tratamento de quimioterapia ou radioterapia. (CARVALHO, 2014).

Proteger a estomia